Revista Saúde Perss
CAPA | ENTREVISTA
Fabrício Bastos
Educação Física
CREF/RJ 02 6331

Revista Saúde Perss

Dr. Vinícius Corrêa
Especialista em implantodontia, periodontia e radiologia
Mestrado em Implantodontia
viniciusgcs@hotmail.com
SAIBA COMO CUIDAR DA SAÚDE DOS SEUS IMPLANTES DENTÁRIOS
Os implantes dentários têm se tornado cada vez mais viáveis e utilizados. Os principais motivos para tanto sucesso nessa técnica é a alta previsibilidade e a grande semelhança entre os implantes e dentes naturais comparado a qualquer outra forma de substituir dentes perdidos.

Com esse aumento vertiginoso de indicações, crescimento expressivo de cursos rápidos na internet, banalização do aprendizado, ausência de indicações de exames adequados para o correto diagnóstico e plano de tratamento, vem crescendo de forma alarmante o número de complicações relacionadas aos implantes.

Com esse novo cenário, decidi falar desse assunto, pois nos últimos meses, a cada 10 pacientes que me procuraram no consultório, 5 foram em busca de solução de problemas em seus implantes.

Mas quais seriam essas complicações ?

Sangramento gengival ao redor de implantes, impacção alimentar, mal posicionamento implantar, exposição de roscas do implante, oclusão inadequada, estética fora dos padrões aceitos pelo paciente, doenças peri-implantares e muitas outras.

Irei me aprofundar mais nas doenças peri-implantares, que são aquelas infecções bacterianas ao redor dos implantes, gengiva e tecido ósseo.

São divididas em 2 grupos:

•  As mucosites que são inflamações gengivais sem perda óssea ao redor de implantes. Provocam dor, principalmente, na escovação e na alimentação, podendo sangrar ou não.
•  As peri-implantites são inflamações nos mesmos tecidos, porém, já é possível observar perda óssea e presença ou não de secreção purulenta.

Ambas causam dor, desconforto e indicam um caminho para a perda do implante, caso não sejam tomadas atitudes de combate à doença.

E quais seriam os fatores de risco para desenvolvimento dessas doenças?

•  Falta de terapia de suporte regular (visitas ao implantodontista semestrais para manutenção da saúde bucal e peri-implantar);
•  Acúmulo de placa bacteriana;
•  Fumo;
•  Histórico de doença periodontal (doenças que acometem a gengiva e tecido ósseo como as peri-implantares, porém, ao redor de dentes naturais). Quem já teve inflamações gengivais antes de perder os dentes deve ter maior atenção aos cuidados com os implantas também;
•  Excesso de cimento usado para colar a coroa sobre o implante extravasado no interior da gengiva causando inflamação;
•  Escassez de gengiva inserida ou queratinizada ao redor do implante (gengiva com presença de mais fibras, mais aderidas e com maior resistência).

Mas então, qual seria o tratamento para essas doenças?

São muitas formas de tratar e cada uma delas deve ser usada em conformidade com a causa principal do problema. Algumas opções de tratamento:

•  Terapia não cirúrgica;
•  Manejo cirúrgico por debridamento;
•  Desinfecção a laser;
•  Implantoplastia
•  Procedimentos ressectivos;
•  Abordagens regenerativas.

Se seu implante incomoda, sangra, causa mal hálito, apresenta vermelhidão ou escurecimento da gengiva, problemas estéticos, isso não é normal. Se está afastado das consultas de revisão e manutenção, terá maior chance de adquirir alguns desses problemas. Procure seu implantodontista e cuide do seu bem maior que é sua saúde.

Compartilhe

Fale Conosco

Para conhecer mais sobre a nossa revista, enviar dúvidas, sugestões ou comentários você só precisa preencher os campos do formulário abaixo.