Revista Saúde Perss
CAPA / ENTREVISTA
Dr. Vinícius Alcantara Cunha Lima
Ortodontista
CRO-RJ 31 162

Revista Saúde Perss


Dr. Guilherme Alcantara Cunha Lima
Clínica Médica e Endocrinologia
CRM 52 81756-2
Mestre em Endocrinologia pela UFRJ
gaclima@yahoo.com.br
USO DE SUPLEMENTOS EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA: SEGURO? EFICAZ?
O mercado dos suplementos alimentares vem crescendo exponencialmente nos últimos anos, faturando bilhões de dólares em diversos países, independentemente da crise econômica. No Brasil, este cenário não é diferente, sendo observado um interesse crescente por estes produtos pelos praticantes de atividade física.

Lojas físicas e virtuais comercializam uma diversidade grande de produtos, com indicações variadas, incluindo perda ou ganho de peso, ganho de massa muscular, melhora da performance na prática esportiva, melhora da imunidade e benefícios estéticos. Mas será que os suplementos realmente funcionam? O uso de um determinado suplemento está realmente indicado para você?

A resposta para a primeira questão é sim e não ao mesmo tempo. Realmente, alguns suplementos podem ser úteis em determinadas situações, que podem estar indicadas no seu caso (whey protein, creatina, cafeína, carboidratos em geral, beta-alanina, bicarbonato, suco de beterraba, hipercalóricos e polivitamínicos). Deve-se salientar porém, que o benefício daquele produto não é tão grande quanto se pensa, girando em ganhos de performance ou força por exemplo em torno de 2-3%. Isso pode não significar tanto para um praticante recreacional de exercício, mas pode ser determinante para um atleta. Além disso, a resposta suplementação é individual, podendo ser muito boa para uns, e nula para outros. Por outro lado, outros suplementos carecem de comprovação científica, e mesmo assim, são comercializados livremente, apesar de não haver qualquer respaldo científico.

Um grande problema acerca deste assunto é o desconhecimento pelo público em geral acerca do suplemento que está consumindo. Geralmente, o consumidor recorre a informação não científica para embasar a sua compra, seguindo opiniões de amigos, familiares, funcionários da academia, dos próprios vendedores do produto ou às vezes recorrendo às mídias sociais, acessando sites que não tem cunho científico algum, e sim, retratam a opinião pessoal do colunista que escreve aquela matéria. Muitas vezes, a compra é baseada apenas numa embalagem mais chamativa do que a outra, ou mesmo, no preço daquele produto, fazendo com que a escolha seja rodeada por incertezas. Poucas são as pessoas que procuram informação com profissionais da área de saúde.

Outro grande problema é o rigor das agências regulatórias, que em relação ao mercado de suplementos alimentares, é menor do que em referência aos medicamentos. Para fins de ilustração, pesquisadores testaram uma série de produtos, e identificaram que 25% deles continham substâncias não relatadas no rótulo. Isto pode ser um problema para o atleta, que pode ser pego no sistema antidoping devido ao uso de alguma substância proibida, e pode causar problemas graves de saúde, ao se utilizar alguma substância contraindicada para quem compra o produto. Mesmo suplementos com comprovação científica podem não conter aquilo que é relatado no rótulo. Uma pesquisa, disponível gratuitamente em www.proteste.org.br, testou diferentes marcas de whey protein, e reprovou 10 delas. Cheque se a marca que você usa é uma delas ou não, e o motivo da reprovação.

O uso dos suplementos deve ser individualizado, de acordo com a avaliação do benefício a que se deseja alcançar, e da real necessidade do uso, baseando-se na incapacidade de se alcançar o objetivo desejado com a alimentação diária. Isso significa que o suplemento, como o próprio nome diz, deve complementar a dieta habitual, e não substituí-la. Pelos motivos expostos, uma avaliação nutricional prévia é de suma importância, para determinar a real necessidade da suplementação. Da mesma forma, estes produtos perdem eficácia se não associados a prática correta e frequente do exercício. Ou seja: se indicado de forma correta, em doses e situações adequadas, e associados a dieta e exercícios, muito provavelmente o produto funcionará, trazendo benefícios à sua saúde. Do contrário, a suplementação será ineficaz, ou mesmo prejudicial.

Conhecer o perfil de efeitos colaterais dos suplementos, que podem contraindicar o seu uso em determinadas situações, também é fundamental, e reforça a necessidade de avaliação especializada prévia. Nem sempre o suplemento que o amigo usa deverá ser o mesmo seu. Para ele, pode ser muito eficaz (ergogênico), mas para você deletério (ergolítico).

Finalizando, se você pratica esportes e deseja usar algum suplemento, procure informação especializada para saber se aquele produto lhe será benéfico ou não, e lembre-se que dieta e exercício permanecem sendo os principais pilares para uma boa saúde. Invista primeiro em você.

Compartilhe

Fale Conosco

Para conhecer mais sobre a nossa revista, enviar dúvidas, sugestões ou comentários você só precisa preencher os campos do formulário abaixo.