Revista Saúde Perss
CAPA / ENTREVISTA
Dr. Vinícius Alcantara Cunha Lima
Ortodontista
CRO-RJ 31 162

Revista Saúde Perss

Dr. Guilherme Alcantara Cunha Lima
Clínica Médica e Endocrinologia
CRM 52 81756-2
Mestre em Endocrinologia pela UFRJ
gaclima@yahoo.com.br
PAPEL DO EXERCÍCIO FÍSICO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE
Diversos estudos clínicos observaram que boa parte da população não pratica atividade física de rotina. Em nosso país, os números não são diferentes, sendo o sedentarismo observado em todas as faixas etárias, de forma crescente nas últimas décadas.

Praticar exercícios resulta em melhora do humor, da sensação de fadiga, da qualidade do sono, e promove redução importante do risco de complicações cardiovasculares, como: hipertensão arterial, diabetes, obesidade, colesterol elevado, infarto e AVC. Redução de dores articulares, do risco de fraturas osteoporóticas e até mesmo do risco de determinados tipos de câncer também ocorre em praticante de atividade física.

Baseando-se nestes inúmeros benefícios, diferentes sociedades médicas recomendam a prática de exercícios de ao menos 150 minutos por semana, enfatizando a importância do exercício para a promoção de saúde. Posicionamentos recentes consideram que esta meta deva ser ainda mais rigorosa, alcançando pelo menos 300 minutos semanais de exercícios. É recomendado ainda que o intervalo entre as atividades não ultrapasse 48 horas, visando otimizar o gasto metabólico.

De forma geral, existem duas diferentes modalidades de exercício: atividades de força (resistência) e exercícios aeróbicos. As atividades aeróbicas incluem caminhada, corrida, ciclismo, danças, esportes coletivos (futebol, vôlei, handebol...), dentre outras. O exercício continuado (acima de 20-30 minutos) de leve a moderada intensidade resulta em aumento do gasto calórico diário e queima preferencial das gorduras estocadas, que em longo prazo resultam em redução da massa de gordura. A atividade aeróbica continuada permite uma melhora gradual do condicionamento físico, resultando em benefícios à saúde cardiovascular e respiratória do praticante.

Os exercícios de força (musculação, lutas, crossfit, natação, remo...) são importantes para o ganho/preservação da massa muscular. Os músculos são os principais determinantes da taxa de metabolismo basal, ou seja, do número de calorias queimadas ao longo do dia. Em termos práticos, uma pessoa de 70kg com boa compleição muscular gasta mais energia em repouso do que um outro indivíduo com o mesmo peso, mas com quantidade menor de músculo. Outros pontos positivos dos exercícios de força são a minimização do risco de contusões musculares, problemas ósseos e articulares, e a redução da velocidade de progressão do envelhecimento, visto preservar a massa muscular e a saúde óssea.

Qual é então a modalidade de exercício que devo escolher? Em primeiro lugar, é importante conhecer a sua composição física. Pessoas com massa gorda em excesso e massa muscular preservada/aumentada se beneficiam mais de atividades aeróbicas. Já indivíduos que apresentam pequena quantidade de músculos devem priorizar exercícios de resistência. Outros importantes fatores a serem considerados são a preferência individual e adequação ao cotidiano do indivíduo. A probabilidade de uma pessoa manter a adesão a um programa continuado de exercícios é maior se a modalidade escolhida lhe é prazerosa. Da mesma forma, se exercitar perto de casa ou do trabalho facilita a incorporação do exercício ao seu dia a dia.

A presença de comorbidades também precisa ser considerada. Por exemplo, pacientes com dores articulares se beneficiarão de exercícios de resistência associados a baixo impacto (ex: hidroginástica, musculação), enquanto obesos apresentam boa resposta a exercícios aeróbicos também de menor impacto (ex: caminhada, ciclismo).

Combinar as duas modalidades é uma opção muito interessante e desejável, pois possibilita otimizar os benefícios de cada modalidade em si. Como exemplo, pessoas que praticam corrida devem ser encorajadas a praticar musculação, que potencializa os resultados do atletismo e permite reduzir o risco de lesões. A escolha da modalidade esportiva deve ser pautada nestes e em outros pilares e discutida individualmente.

É recomendável uma avaliação cardiológica prévia, sobretudo se o indivíduo apresenta problemas de saúde relacionados a risco cardiovascular elevado (ex: hipertensão, diabetes, tabagismo, coronariopatia...). Da mesma forma, adequar a alimentação para obter êxito na modalidade esportiva é recomendado, podendo requerer ajuda especializada.

Em suma, se te faltava estímulo ou coragem para começar a se exercitar, mãos à obra. Procure o seu médico e discuta com ele sobre a sua necessidade e possibilidade de praticar esporte. Não havendo contraindicação no seu caso, siga em frente após a recomendação profissional. Praticar exercícios faz bem para o corpo e para a mente.

Compartilhe

Fale Conosco

Para conhecer mais sobre a nossa revista, enviar dúvidas, sugestões ou comentários você só precisa preencher os campos do formulário abaixo.