Revista Saúde Perss
CAPA | ENTREVISTA
Dra. Jodinéa Melo Maurício Cesário
Pediatra e Médica do Trabalho
CRM 52 7572-76
Revista Saúde Perss
Dr. Frederico Cesário
Otorrinolaringologista
CRM 52 67317-0
Especialização em otorrinolaringologia na UNIRIO
fredericocesario@yahoo.com.br
RINITE ALÉRGICA
A rinite alérgica pode se confundir com resfriado e gripe, pois seus sintomas são semelhantes: espirros em série, coriza abundante, nariz sempre escorrendo, congestão nasal. Coça o nariz e coçam os olhos, ouvidos, garganta. Contudo, são doenças bem diferentes.

É verdade que quem tem rinite espirra, mas não está gripado ou resfriado. É uma doença herdada, ou seja, tem origem genética. Por isso, outras pessoas têm alergia na família. Mas, para que a doença apareça, a genética interage com o ambiente, resultando na doença.
 
Os casos de rinite aumentaram muito nos últimos anos, em função de vários fatores:
Maior poluição;
Modificação das residências,
Mudança do estilo de vida
Menor tempo de permanência ao ar livre, entre outros...
 
Até o aumento da violência urbana contribui, pois o medo faz com que as crianças fiquem mais tempo dentro de casa, aumentando o convívio com os ácaros e outros fatores causadores do problema.
 
Crianças e adultos passaram a ter mais rinite: calcula-se que hoje cerca de 30% da população tenha a doença.
 
Engana-se quem pensa que a rinite é uma doença sem importância! Na verdade, os sintomas nasais repetidos podem incomodar bastante e prejudicar a vida da pessoa, seja criança ou adulto. Assim, com o passar do tempo, não apenas o nariz sofre, mas a doença passa a acometer outros locais vizinhos: seios da face, olhos, ouvidos, garganta, pulmões.
 
A complicação mais comum da rinite é a sinusite e com ela, vem a tosse, com piora à noite que não deixa ninguém dormir, nem o alergênico nem sua família.
 
Crianças ou adultos portadores de rinite tendem a dormir de boca aberta, acarretando roncos, insônia e desconforto para toda a família. Com o descanso prejudicado, a pessoa já acorda irritada, sensível, tendo dificuldade em se concentrar na escola ou no trabalho e é comprovado que o rendimento escolar e no trabalho é menor nos portadores de rinite alérgica.
 
O apetite cai, a criança come com dificuldade, mais devagar e rejeita alimentos sólidos. Cansa fácil nas brincadeiras e não tem ânimo para acompanhar os amigos. A criança portadora de rinite tende a ter infecções respiratórias repetidas, necessitando uso repetido de antibióticos, gerando preocupação em seus pais.
Outro engano é pensar que a rinite é uma doença de inverno. Não, ela piora nesta fase, mas tem alta incidência o ano inteiro. Por isso, o tratamento deve ser mantido de forma permanente e não apenas nas crises.
 
Tratar a rinite engloba vários cuidados
 
Uso de remédios aliviadores, para tratar os sintomas já instalados. Os antialérgicos (anti-histamínicos) estão indicados, preferindo-se os mais modernos, não sedante.
Uso de remédios controladores, atuando na inflamação nasal e proporcionando condições para evitar crises. Os corticóides instalados em spray para uso nasal são indicados para este fim. Estes medicamentos são formulados de maneira especial que permite seu uso a longo prazo, com poucos efeitos colaterais.
A imunoterapia específica com aeroalérgenos estará indicada nos casos onde a alergia for comprovada, através da história clínica, exame físico e exames complementares.
Controle ambiental contra ácaros e outros fatores agravantes que possam piorar a doença.  
 
Cuidados importantes
 
Crie uma rotina de limpeza diária em sua casa. Evite espanadores e prefira o uso de pano úmido. Use álcool e sabão para a limpeza e evite produtos com odor muito ativo;
Dê uma atenção especial ao quarto de dormir. Encape travesseiros e colchões e troque lençóis e fronhas duas vezes na semana. Tire os objetos do quarto e use capas laváveis para almofadas;
Evite guardar objetos em baixo de camas ou em cima de armários;
Não fume e não deixe que fumem em sua casa;
Caminhe, pratique exercícios e alimente-se bem. Estimule as crianças a brincar livremente: bicicleta, jogar bola, natação, passeios ao ar livre.

Compartilhe

Fale Conosco

Para conhecer mais sobre a nossa revista, enviar dúvidas, sugestões ou comentários você só precisa preencher os campos do formulário abaixo.