Revista Saúde Perss
CAPA | ENTREVISTA
Dra. Jodinéa Melo Maurício Cesário
Pediatra e Médica do Trabalho
CRM 52 7572-76
Revista Saúde Perss
Dra. Jodinéa Melo Maurício Cesário
CRM 527572-76
Pediatra e Médica do Trabalho
ENTREVISTA Dra. Jodinéa Melo Maurício Cesário
A Dra. Jodinéa Melo Maurício Cesário é pediatra, médica do trabalho, mãe, casada com o Dr. Frederico Cesário, otorrinolaringologista, profissional dinâmica e atuante nas cidades de Campos e Macaé, conta um pouco sobre suas experiências profissionais e sua rotina pessoal.

SP - Fale-nos um pouco de sua vida pessoal, casada, tem filhos?
JC - Nasci em São Fidélis, estudei no Rio e estou em Campos há 10 anos. Sou casada com o Dr. Frederico Cesário e temos um filho - Lucas que já está com 4 anos.
 
SP - Quais são suas características pessoais, seus hobbies?
JC - Valorizo muito a família, tenho gostos bem simples. Me preocupo sempre em ajudar as pessoas e viajar está entre as coisas que gosto de fazer.
 
SP - Como descobriu sua vocação para a medicina?
JC - Fui professora e gosto muito de crianças, de ajudá-las, de acompanhar seu desenvolvimento e por conta disso, quando entrei na faculdade já havia decidido pela pediatria. Não há nada mais lindo do que cuidar de uma criança, contribuir para retirar a ansiedade e as angústias dos pais.
 
SP - Qual é seu histórico de formação?
JC - Me formei em 2004 em medicina e em 2006 conclui minha residência médica, com especialização em pediatria na UFRJ. Fiz a prova da Sociedade Brasileira de Pediatria e fui aprovada com o título de especialista em pediatria. Também tenho uma segunda especialização que é em medicina do trabalho.
 
SP - Seu foco de atuação tem sido mais na pediatria? Onde tem atuado?
JC - Sim, sou mais atuante como pediatra. Atualmente, realizo consultas nas  clínicas: em Campos a Med Campos e em Macaé a Clínica Macaé.
 
SP - E como é a experiência de trabalhar com o marido?
JC - Considero muito boa, trocamos  ideias e soluções tanto em relação aos pacientes quanto em relação à gestão administrativa.
 
SP - Há quanto tempo e por que a Med Campos foi criada?
JC - A Clínica vai fazer 5 anos agora em novembro, mas parece que foi ontem. Foi criada a partir da necessidade de ter um consultório mais completo, especialmente aliando as especialidades de pediatria e otorrino, com atendimento para crianças, adultos e idosos, oferecendo exames no mesmo local, para facilitar a vida dos pacientes.
 
SP - Quais exames podemos destacar?
JC - Realizamos quase todos os exames em otorrinolaringologia, como: vídeo laringoscopia, vídeo estroboscopia, vídeo endoscopia nasal, diversos tipos de audiometria, como por exemplo: a audiometria de campo livre, processamento auditivo central, impedanciometria, otoemissões acústicas, o transiente, e também, o produto de distorção, exames eletrofisiológicos da audição como por exemplo: a audiometria de tronco encefálico, que investiga as causas de “zumbido”, exames otoneurológicos, que avaliam pacientes com labirintopatias que é popularmente chamada de “labirintite”. Há a polissonografia basal que é uma polissonografia com registros neurológicos e respiratórios, como também a polissonografia com CPAP, polissonografias estas que permitem a avaliação do sono, da apineia do sono, ronco, insônia, sindrome das pernas inquietas, bruxismo e várias outras patologias. São realizados testes como: da “orelhinha”, da “linguinha”. Exames em alergologia, que são os testes alérgicos como: inalantes, alimentares, contato, cosméticos. Prova de função respiratória, espirometria, eletroencefalograma digital, mapeamento cerebral, ultrassonografia geral e com doppler. Os exame são realizados tanto de pacientes da clínica como de pacientes encaminhados de outros médicos.
Para as consultas médicas a clínica tem disponíveis as especialidades de otorrinolaringologia, pediatria, alergologia, psiquiatria da infância e do adolescente, medicina do sono, ultrassonografia, medicina do trabalho para as empresas e fonoaudiologia com fonoterapia
 
SP - Voltando à pediatria, que nos parece ser sua “menina dos olhos”, como tem sido sua atuação?
JC - Conduzo minhas consultas com muito cuidado, carinho com os pacientes, sempre me colocando no lugar das mães, que muitas vezes chegam com muitas dúvidas.
Costumo orientar aos pais que anotem suas dúvidas para trazer para a próxima consulta, assim ficam mais seguros e melhor orientados.
O profissional de pediatria deve estar atento à prevenção das doenças, ao crescimento e desenvolvimento dos pequenos pacientes, observar desvios nas curvas de crescimento para retornar para a normalidade, histórico gestacional, neonatal, vacinal, fisiológico, social e alimentar. Isso é puericultura, essencial na pediatria, porque a função do pediatra consiste em prevenir e tratar as doenças, acompanhando o crescimento e desenvolvimento dos pacientes.
 
SP - Como a sra. vê esse movimento que vem surgindo contra a vacinação?
JC - A vacinação é de fundamental importância. Esse movimento contra a vacinação vem crescendo na Europa e no Brasil, mas, não existe nenhuma evidência científica que cause autismo ou qualquer outra doença em função das vacinas. As vacinas são seguras e eficazes, responsáveis por erradicar várias doenças que matavam ou deixavam sequelas. Não vacinar as crianças é um “retrocesso”, inclusive o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), estabelece claramente a obrigação de vacinação. Um exemplo recente são: pólio e sarampo, doenças que já estavam erradicadas, retornando por conta da falta de vacinação.
 
SP - Quando falamos de criança, é impossível não falar de amamentação. Qual é sua visão sobre o tema?
JC - A amamentação é importante como alimentação exclusiva nos primeiros seis meses de vida, previne várias doenças, ajuda no sistema imunológico da criança. Não há um tempo ideal para o desmame, a Sociedade Brasileira de Pediatria preconiza o desmame natural, seguindo a vontade da criança. Após os seis meses, na introdução da alimentação complementar, dar preferência aos alimentos saudáveis e apropriados para as idades. É importante evitar “fast foods”, excesso de gorduras, doces e guloseimas, evitando assim, possíveis alterações de glicemia, colesterol e a obesidade.
 
SP - Como pediatra, há mais alguma recomendação importante a ser passada aos pais como contribuição para um desenvolvimento saudável?
JC - O sono tem importância fundamental, faz parte das necessidades básicas e essenciais das crianças e adolescentes para manter crescimento e desenvolvimento saudáveis. Costumo dizer que a higiene do sono é ferramenta que deve fazer parte da rotina da família, ou seja, criar horários, rotina, evitar atividades agitadas, celular 1 ou 2h antes de dormir. Outra coisa que deve ser evitada é manter televisão e computador no quarto, para não atrapalhar o sono.
Ainda sobre o tema celular, temos visto uso excessivo e indiscriminado das redes sociais, internet, programas inapropriados para a idade das crianças.
 
SP - O uso da internet é um tema que preocupa muitos pais e gera dúvidas. Qual é sua orientação?
JC - A Sociedade Brasileira de Pediatria preconiza limite no tempo de exposição para cada faixa etária e orienta que o uso precoce e de longa duração de jogos on line, redes sociais ou diversos aplicativos com filmes e vídeos na internet pode causar dificuldades de socialização e conexão com outras pessoas e dificuldades escolares; a dependência ou o uso problemático e interativo das mídias causa problemas mentais, aumento da ansiedade, violência, cyberbulling, transtornos de sono e alimentação, sedentarismo, problemas auditivos por uso de headphones, problemas visuais, problemas posturais e lesões de esforço repetitivo (LER), além de problemas que envolvem a sexualidade, vulnerabilidade, acesso às redes de pedofilia e exploração sexual on line, compra e uso de drogas, além das “brincadeiras” ou “desafios” on line que podem ocasionar consequências graves e até o coma por anóxia cerebral ou morte.
Considero que ler para uma criança é dizer Eu te amo. O tempo que passamos com elas deve ser mais produtivo, as crianças querem atenção. É importante ler, brincar, fazer atividades ao ar livre e não tentar suprir as ausências com presentes. Os pais devem ser presentes na vida de seus filhos e devem oferecer a eles, além da presença e carinho, limites, para que possam se tornar adultos mais responsáveis e realizados.
 
SP - Dra. Jodinéa, deixe para os nossos leitores uma mensagem final.
JC - A medicina, independente de sua área de atuação, é uma carreira a ser seguida com muita dedicação e amor ao que se faz. Na pediatria, especialmente, ouvir é muito importante para diagnosticar, e por isso, as anotações dos pais com suas observações trazem dados fundamentais para analisar uma criança que não fala ou não sabe relatar o que está se passando.

Compartilhe

Fale Conosco

Para conhecer mais sobre a nossa revista, enviar dúvidas, sugestões ou comentários você só precisa preencher os campos do formulário abaixo.