Revista Saúde Perss
CAPA
Rad-Med
Revista Saúde Perss
ENTREVISTA
Dr. Carlos Mário Mello de Souza
Radiologia
CRM 52 32139-2
Revista Saúde Perss
Dra. Karine Portilho Franco
Dermatologia
CRM 52 101628-9
Pós-graduação em dermatologia pela
Santa Casa de Misericórdia do RJ Hospital Gamboa
karinepfranco@hotmail.com
TRICOSCOPIA
Os cabelos sempre foram considerados adornos fundamentais aos rostos, e historicamente, símbolo de força para homem e de sedução para as mulheres. A perda capilar, mesmo gradativa, decorrente ou não de uma entidade clinicamente definida, provoca ansiedade e aflições mais profundas do que sua gravidade objetiva parece justificar. A queda acentuada dos fios é uma queixa frequente no consultório e merece uma investigação médica criteriosa para descobrir sua causa.

As alopecias, as doenças inflamatórias e infecciosas do couro cabeludo e as doenças da haste pilosa são entidades comuns na prática clínica. Com um diagnóstico diferencial por vezes vasto e/ou difícil, surge frequentemente à necessidade de realizar biópsias. No entanto, o local a ser biopsiado pode não ser o mais adequado, e em certas patologias é imprescindível à realização de cortes transversais e longitudinais, porém, o resultado histológico nem sempre está imediatamente disponível. Neste contexto, nos últimos anos tem sido desenvolvida e aperfeiçoada progressivamente à dermatoscopia do couro cabeludo.

A tricoscopia consiste em exame rápido, não invasivo e indolor feito no consultório dermatológico com o uso de um fotovideodermatoscópio com o objetivo de estudar o couro cabeludo e a haste capilar. Com aumentos de 20 a 70 vezes, permite avaliar as hastes pilosas, os óstios foliculares (dots), a epiderme peri/interfolicular e as estruturas vasculares, com e sem luz polarizada. Frequentemente é utilizada uma solução alcoólica como interface. No entanto, para uma melhor caracterização de patologias que cursem com descamação, é preferível um exame a “seco”. Essa nova tecnologia de exame tem por objetivo evitar biópsias desnecessárias e, quando elas são ainda indicadas, ajuda a escolher o melhor local no couro cabeludo para serem realizadas. O exame também possibilita avaliar de forma comparativa as diferentes áreas do couro cabeludo, identificando os locais de acometimento e a intensidade da doença. Além disso, é uma ferramenta valiosa na avaliação da resposta terapêutica e no seguimento do paciente com queda de cabelo.

Muitas patologias têm já estruturas tricoscópicas próprias bem definidas, permitindo um diagnóstico diferencial imediato que pode não ser clinicamente evidente. Os tipos de anomalias capilares observadas para exemplificar incluem: cabelos em ponto de exclamação, constrições repetidas de pohl-pinkus, (alopecia areata), unidades foliculares com apenas uma haste, fio curtos de repilação (eflúvio telógeno), variabilidade da haste > 20% , hiperpigmentação perifolicular (alopecia androgenética), cabelo em forma de vírgula ou em saca-rolha (tinea capitis), cabelos fraturados em diferentes comprimentos, flame hairs (tricotilomania), vasos lineares alongados em arranjos concêntricos perifoliculares (liquen plano pilar).

O espectro de utilização da tricoscopia tem sido progressivamente alargado. Recentemente tem sido descrita à sua utilidade na identificação de espículas foliculares no mieloma múltiplo, da mucinose folicular em doenças linfoproliferativas, de lesões do couro cabeludo na histiocitose de células de Langerhans e de microvasosinterfoliculares alterados na dermatomiosite e esclerodermia. No entanto, estes achados carecem ainda de confirmação baseada na evidência. Atualmente, são numerosos estudos científicos em curso, e no futuro próximo, terá certamente novas aplicações para esta técnica.

O melhor tratamento e resultado na queda de cabelo está diretamente relacionado com o diagnóstico correto e precoce. O paciente seguirá uma rotina de avaliação clínica detalhada e submetidos a exames específicos para o diagnóstico correto. Realizado o diagnóstico correto, o melhor tratamento é indicado. Quanto antes iniciado, maior a chance da eficácia terapêutica e da manutenção dos resultados a longo prazo. Por fim, o diagnóstico preciso é premissa para um tratamento efetivo, ressaltando a importância da tricoscopia como ferramenta diagnóstica.

Compartilhe

Fale Conosco

Para conhecer mais sobre a nossa revista, enviar dúvidas, sugestões ou comentários você só precisa preencher os campos do formulário abaixo.