Revista Saúde Perss
CAPA
Clínica
Emagrecentro
Revista Saúde Perss
ENTREVISTA
Dra. Fernanda Guimarães
de Almeida Fróes
Nutrologia & Medicina Estética
CRM 52 84898-0
Revista Saúde Perss
Dra. Karla Glaysia A. Lourenço
Gastroenterologista
CRM 52 70295-1
Doutorado em gastroenterologia pela USP
karlaglaysia@gmail.com
SINTOMAS GASTROINTESTINAIS E INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES
            Sintomas relacionados ao aparelho digestivo como náuseas, empachamento, distensão abdominal, cólicas, flatulência excessiva (gases), diarreia e constipação (prisão de ventre), em geral, são decorrentes de enfermidades benígnas, que podem ser explicadas ou desencadeadas pela presença de intolerância alimentar e/ou disbiose (alteração da flora intestinal).

Intolerância a lactose
 
            É a incapacidade do organismo de digerir a lactose (açúcar do leite), devido a deficiência da lactase, que é responsável por fragmentar a lactose em partículas menores, que então são absorvidas. A lactose não absorvida passa para o intestino grosso, onde por ação das bactérias será fermentada. É um problema bastante comum na população adulta. O objetivo do tratamento é o controle dos sintomas digestivos sem a exclusão total leite e produtos lácteos.
 
Intolerância à frutose e sorbitol
 
            Frutose e sorbitol são carboidratos (açúcares) simples presentes na nossa dieta. Quando a frutose e o sorbitol são absorvidos de forma incompleta pelo intestino, eles podem também serem fermentados pela flora intestinal, resultando na formação de substâncias químicas e gases, causando sintomas, como:

             - 
Flatulências (gases);
             - Distensão abdominal;
             - Mal-estar;
             - Náuseas...

            Com o envelhecimento, grande número de pessoas apresentarão má absorção de açúcares, incluindo a frutose, especialmente, quando grandes quantidades são consumidas. A frutose está presente em:

             - 
Frutas;
             - Legumes;
             - Grãos;
             - Alimentos industrializados;
             - Mel...

            O consumo de frutose tem aumentado significativamente nas últimas décadas e está implicado no aumento da obesidade, síndrome metabólica e doença do fígado. A prevalência da Intolerância à frutose está aumentando bastante e estima-se que seja de 50% em adultos saudáveis.
 
            O sorbitol está presente em algumas frutas, doces (balas, chicletes), adoçantes, bebidas e produtos dietéticos.
 
Intolerância a carboidratos complexos (rafinose)
 
            É a incapacidade do intestino de processar completamente os carboidratos (açúcares e amido) pela falta ou redução da quantidade de uma ou mais enzimas necessárias à sua digestão. Exemplos de alimentos são: feijão, cereais e vegetais.
 
            É comum a coexistência de intolerância alimentar com o supercrescimento de bactérias no intestino delgado, causando sintomas, e também, associado a Síndrome do Intestino Irritável.
 
            As queixas digestivas de pacientes com distúrbios relacionados aos alimentos podem ser semelhantes, embora de origens diversas. Cabe ao médico, após minuciosa avaliação, indicar a restrição alimentar apropriada.
 
            O diagnóstico das intolerâncias alimentares, e também, do supercrescimento de bactérias do intestino delgado pode ser feito pela história clínica, com a presença dos sintomas gastrointestinais e confirmado com o "teste respiratório com hidrogênio expirado". Este exame é um teste simples, não invasivo, realizado no consultório, o qual possibilita diagnosticar estas condições a fim de tentar controlar estes sintomas utilizando dieta individualizada ou alterando a microflora intestinal. 
 
            O diagnóstico correto evita restrições dietéticas inadequadas, levando à carência de nutrientes importantes para saúde como vitaminas e sais minerais. Deixar os modismos de lado e se basear em conhecimentos científicos!
 
            Dados da literatura médica demonstram melhora na intensidade e frequência dos sintomas em até 75%, especialmente, àqueles desencadeados pela presença do excesso de gases. 

Compartilhe

Fale Conosco

Para conhecer mais sobre a nossa revista, enviar dúvidas, sugestões ou comentários você só precisa preencher os campos do formulário abaixo.